Como encontrar um bom advogado? 5 Dicas para não errar!

Saber como encontrar um bom advogado é fundamental para quase todos nós em algum ponto da vida. No final, o profissional que irá representar nossas causas é a peça mais importante para dizer se seremos bem ou malsucedidos em um processo.

Porém, com tantos advogados disponíveis e as tantas ramificações no universo jurídico, nem sempre é simples encontrar o “escritório ideal”.

Pensando nisso, a equipe Dutra Advogados resolveu entrar em cena para produzir algumas dicas sobre como encontrar um bom advogado para suas causas. Leia atentamente as próximas linhas e, caso sinta necessidade, deixe um comentário abaixo do texto!

 

Como encontrar um bom advogado?


Quer saber como encontrar um bom advogado? Confira as nossas dicas:

1 - A sua necessidade é por qual “tipo” de advogado?


Ao contrário do que muitas pessoas imaginam, advogados não são todos iguais.

Por ser o universo jurídico cheio de ramificações, nós geralmente trabalhamos com especialidades como “direito do consumidor” ou “direito trabalhista”, por exemplo.

Se você está encarando um divórcio, o melhor é contratar um advogado especialista em direito da família.

Se o processo em questão foi aberto contra uma empresa onde já trabalhou, a especialidade a ser buscada é o direito trabalhista.

Já para quem está com uma questão relacionada à compra e venda de imóveis, o mais lógico a ser buscado é um advogado especialista em direito imobiliário.

Naturalmente, é muito melhor contar com o auxílio de um advogado que é especialista no seu problema, pois ele certamente terá mais chances de conseguir o melhor resultado possível.

Aqui no Dutra Advogados somos especialistas em direito trabalhista, direito imobiliário, direito empresarial e direito do consumidor. Entre em contato se a sua questão envolve alguma dessas especialidades!

 

2 - Comece com pesquisas na internet


 

Assim como você provavelmente já faz em tantas outras situações, o momento de escolher um bom advogado pede pesquisas na internet (aliás, se você está aqui é porque já fez isso… Parabéns!).

Procure por termos como “escritório Y Reclame Aqui”, “Escritório X é bom?” ou “Escritório Z referências”.

Além de todo o conteúdo que você encontrar, também vale a pena conversar com amigos e familiares. Será que alguém próximo já não utilizou os serviços do escritório de advocacia em questão para poder indicá-lo?

 

3 - Obtenha referências de clientes antigos


 

Nossa terceira dica talvez seja a mais importante da lista: se você quer encontrar um bom advogado, procure por referências de clientes antigos desse profissional. Como dizem por aí, o cliente nunca mente!

Aqui no Dutra Advogados nós deixamos as opiniões de antigos clientes na página inicial do site. Acesse por aqui.

 

4 - Faça uma lista dos advogados encontrados e conheça seus sites


 

Agora que você já entendeu qual a especialidade do advogado em questão e fez algumas pesquisas pela internet, chegou a hora de listar as opções mais interessantes.

Este também é um ponto importantíssimo para quem quer saber como encontrar um bom advogado no mercado…

O ideal é que a sua lista contenha mais de uma e menos de dez opções. Você não quer se confundir, certo?!

Finalizada essa etapa, acesse o site de cada advogado e verifique fatores como:

 

  • Especialidades

  • Experiência

  • Artigos publicados

  • Boa ortografia

  • Depoimentos de clientes

  • Transparência nas informações

  • Página “Sobre nós”

  • Rapidez no atendimento


 

Todos esses são detalhes que dizem muito sobre a qualidade e confiabilidade de um advogado ou escritório de advocacia.

 

5 - Entre em contato com as melhores opções


Gostou muito do que viu até agora em um ou dois sites específicos? Então chegou a hora de entrar em contato para saber mais sobre o trabalho desses advogados.

Além de trocar e-mails e fazer ligações telefônicas, verifique a possibilidade de marcar uma reunião presencial para conhecer o escritório. Lembre-se de que todo esse trabalho vale a pena, já que são os seus direitos que estão em jogo!

Agora que você já entendeu como encontrar um bom advogado, que tal entrar em contato conosco?

O Dutra Advogados conta com profissionais qualificados e de confiança, estando totalmente à disposição para auxiliar nos seus processos e trazer sempre o melhor resultado possível.

Nossas especialidades são: direito trabalhista, direito imobiliário, direito empresarial e direito do consumidor. Entre em contato e veremos como trabalhar em parceria!

A FIXAÇÃO DE PREÇOS DE REVENDA NOS CONTRATOS DE DISTRIBUIÇÃO.

A característica do vinculo comercial formado entre o fabricante e
o distribuidor permite concluir que este tipo de avença é reconhecidamente um
contrato de colaboração, sendo um instrumento jurídico necessário para reduzir os
custos do empresário no escoamento das mercadorias, imagine-se, por exemplo, se o
empresário para atingir os consumidores de um determinado país, ou de uma
determinada localidade longínqua de sua sede, não se utilizasse das parcerias
comerciais, por óbvio, os investimentos para a consolidação deste mercado seria
maior do que, se o empresário optasse por fazer uma parceria comercial com outro
empresário que conhece as peculiaridades da região e, em muitas vezes, já tem toda
a estrutura suficiente para o escoamento da mercadoria pretendida.

Dessa forma, as parcerias comerciais tornam-se um verdadeiro
sistema de escoamento de mercadorias, onde ambas as partes contratantes são
beneficiárias do sucesso do negócio, razão pela qual o Distribuidor e o Fabricante
devem estar em perfeita “sinergia” e alinhados com os objetivos de consolidação do
mercado, caso contrário, se faltar esta “sinergia”, provavelmente, o resultado esperado
ficará aquém do esperado.

Contudo, nem sempre se verifica a participação dos distribuidores
na estratégia de venda dos fabricantes que acabam impondo a forma como as
mercadorias devem ser revendidas, inclusive, com a política de fixação de preços
mínimos ou máximos a serem praticados pelos distribuidores.

Essa fixação de preços mínimos de revenda, muitas vezes é feita
de forma sútil como mera sugestão de preço ditada pelo fabricante, orientação esta
que se não cumprida pelo distribuidor acarreta como consequência a resilição
unilateral do contrato. Com isso, o receio de quebra de contrato leva o distribuidor a
seguir “as sugestões de preço” feitas pelo fabricante.

Ocorre que, as restrições verticais impostas na distribuição ou
revenda podem limitar a concorrência entre distribuidores, revendedores e lojistas do
mesmo bem ou serviço, levando até mesmo a completa anulação de qualquer tipo de
concorrência, o que pode ter como consequência a infração à ordem econômica (Lei
Federal n° 12.529/11).

Cabe esclarecer ainda que, não é qualquer conduta de fixação de
preços que merece ser interpretada como uma infração à ordem econômica, somente,
no caso específico, poderá ser apurada a existência de conduta orquestrada com o
intuito de: I - limitar, falsear ou de qualquer forma prejudicar a livre concorrência ou a
livre iniciativa; II - dominar mercado relevante de bens ou serviços; III - aumentar
arbitrariamente os lucros; ou IV - exercer de forma abusiva posição dominante.

Diante destas considerações, o recomendável é a existência de
uma parceria comercial clara e transparente, onde as partes envolvidas (distribuidor e
fabricante) encontrem em conjunto o melhor caminho para alcançar os objetivos
comuns de maneira eficaz e com efeitos econômicos positivos superiores aos
negativos trazidos pelas restrições verticais, a partir desse prisma minimizaria os
riscos de condutas que possam violar as normas estabelecidas pela Lei Federal n°
12.529/11.